top of page
Buscar

Desenvolvimento pessoal para o desenvolvimento sustentável: bases para mudanças sociais e políticas




Um instituto empresarial como o Instituto Sabin, onde estou, se posiciona no intervalo entre dois setores: o privado e o terceiro setor. Tendo tido experiência no setor público, na academia e como empreendedor, eu consigo perceber algumas das principais particularidades que os diferenciam ou os tornam semelhantes.

 

No contexto do terceiro setor, há uma ênfase significativa nas discussões políticas e sociais. Porém, essa abordagem, embora importante e óbvia para quem está dentro, muitas vezes negligencia o desenvolvimento de competências intrapessoais e interpessoais, que são fundamentais para a construção de organizações e relações mais harmônicas e menos conflituosas.

 

Começando pela primeira, a base de todas as inteligências é a intrapessoal. Ela envolve, entre outras competências, o autoconhecimento, a autorregulação e a literacia emocional. Um exemplo aqui seria a (in)capacidade de reconhecer e gerenciar as próprias emoções, o que é essencial não somente para liderar, e nem apenas para conviver em qualquer organização ou grupo social: mas até para conviver consigo próprio.

 

Em seguida, temos a inteligência interpessoal, que inclui competências como comunicação, negociação, respeito e compaixão. Um trabalhador que consegue entender e responder adequadamente às necessidades e emoções de seus pares pode promover um ambiente de trabalho mais saudável, colaborativo e amistoso.

 

Competências sociais e políticas, embora importantes, poderiam ser desenvolvidas com base nas competências intrapessoais e interpessoais. Um exemplo disso seria a habilidade de navegar em discussões políticas complexas sem a necessidade de lacrar, levando debates a caminhos mais profundos, reflexivos e equilibrados.

 

Nessa seara, um framework está se popularizando no Brasil e no mundo: o Inner Development Goals (IDG ou objetivos de desenvolvimento interno), também conhecido como o objetivo de desenvolvimento sustentável zero (ODS 0). Zero porque ele é a base para que sejamos capazes de contribuir para os outros 17 ODS que temos na Agenda 2030, claro.

 

Os IDGs focam no desenvolvimento pessoal como base para a ação social e política, promovendo um campo menos autorreferente e mais autoconsciente. Ao priorizar essas competências de maneira integrada, podemos não apenas melhorar a eficácia das organizações do terceiro setor, mas também contribuir para uma sociedade mais desenvolvida -- humanamente falando.

0 visualização0 comentário

Comments


bottom of page